Dica: os usuários do ano passado ainda são válidos. Caso não lembre do nome do seu usuário ou sua senha, use o link acima para recuperá-la.

Submissões por trilha

Submissões por tipo

Trilhas de interesse

Agilidade de Guerrilha

Track leads: Guilherme Motta & Michel Cordeiro

Qualquer tipo de ambiente é resistente a mudanças, mas alguns são mais resistentes que outros. Nesse momento, é preciso ser assertivo e cirúrgico — nem sempre você consegue usar tudo, então você trabalha com o que pode, entendendo o contexto e tentando enfrentar as forças contrárias.
Nessa trilha, vamos falar daqueles que não desistiram no primeiro “isso nunca vai funcionar aqui”, das pessoas que cuidadosamente escolheram suas armas, suas táticas e foram silenciosamente ganhando terreno, subvertendo discursos contrários e transformando mindsets.
Esta trilha é sobre aqueles que caminharam pelas trincheiras e sobreviveram para contar a história e, também, para relembrar os guerreiros e guerreiras caídos que abriram os caminhos para o futuro.

Para facilitar seu entendimento esses são alguns exemplos de submissões de outros anos que se encaixariam nessa trilha:
Xp e Scrum ‘from the trenches’: mudando a LeroyMerlin de baixo para cima
Culture at scale

É caindo que se aprende a levantar

Track leads: Ester Lima & Mariana Graf

Errar não é festivo, fracassar não é gostoso, mas falhar é parte do caminho do aprendizado. O erro ainda é visto como um tabu em nossa sociedade e evitamos discutí-lo, encará-lo de frente, e, com isso, tiramos menos proveito do que podemos aprender com nossos erros e os dos outros.
Esta trilha é sobre aqueles que tentaram e não conseguiram. Que combateram o bom combate, mas não saíram com o cinturão do ringue.
Mais do que sobre as quedas e derrotas, esta trilha é sobre aprendizado, sobre voltar para cuidar das feridas e entender o que e porque deu errado.
É para aprender a encarar o erro como algo possível e passível de aprendizado.
É sobre aqueles nobres combatentes que falharam, mas se dispuseram a discutir os próprios erros para que outras pessoas não levem o mesmo tombo.

Para facilitar seu entendimento esses são alguns exemplos de submissões de outros anos que se encaixariam nessa trilha:
Projetos Ágeis também falham

Evolua ou morra!

Track leads: Érica Briones Graciano

Se você pensa sobre como tudo é transitório, que equipes, processos, empresas e mercados estão em constante mudança e precisam se adaptar, então essa trilha é a sua cara.
A dinâmica relação entre mercados, tecnologia, empresas e equipes não pode ser descrita ou encarada de forma estática.
Tentar engessar esse universo é a fórmula certa para o fracasso: ou você evolui, ou é devorado por quem evoluiu.
Mas como ser leve para responder às mudanças e ainda se manter coeso e não perder o objetivo? Como fazer da melhoria um estado sempre transitório entre o passado e o futuro?
Se essas perguntas fazem seu cérebro “coçar”, então esta trilha é o seu lugar.

Para facilitar seu entendimento, estes são alguns exemplos de submissões de outros anos que se encaixariam nesta trilha:
Kanban no Fluxo de Projetos da Taller: um estudo de caso
Acelerando Resultados Empresariais com Lean Business Analysis

Mão no código

Track leads: Hugo Corbucci

Para além da concepção e das ideias, esta trilha fala daqueles que trabalham transformando conceitos em coisas reais, da galera que escova bit, que abre a IDE, editor, terminal e codifica como se não houvesse amanhã.
Não existe melhor maneira de discutir produção de software do que, literalmente, escrever software – ou seja, botar a mão no código.
Aqui você vai ver casos e insights de quem tentou na prática ser mais eficaz, que testou, errou, acertou, aprendeu qual o conceito real de qualidade, evolução e manutenção de código.
Você pode esperar destas sessões brainstorms sobre técnicas, padrões e arquiteturas, divagações sobre ferramentas, linguagens e frameworks, e muito mais.

Se você é da galera “show me the code”, seu espaço é por aqui.

Para facilitar seu entendimento esses são alguns exemplos de submissões de outros anos que se encaixariam nessa trilha:
Coding with the Stars
Uma compilação das técnicas e práticas usadas em ‘MOB Programming’

Papo de boteco: um laboratório de ideias

Track leads: Breno Campos & Cleiton Mafra

Você gosta de falar sobre o futuro? Olhar por cima do muro e ver o que está despontando no horizonte? O que estão testando e aplicando em outros lugares, outras realidades? Quais ideias estão sendo testadas e evoluídas “on the fly”? Qual é a próxima tendência ou hype, e como ela está sendo discutida.
Quem não conhece alguém (talvez você mesma(o)?) que já teve uma ideia em uma mesa de bar e que acabou amadurecendo em uma solução para um problema complexo? Baixando nossos filtros do que é plausível, saímos da caixinha — e tem tanto pra explorar do outro lado!
Essa trilha é para aqueles que enxergam devaneios coisas novas e até improváveis. Hipóteses que ainda não foram comprovadas, ou ideias que não estão maduras, mas que já começaram a dar os primeiros passos na direção do mundo real. É o momento de deixar a mente trovejar e ser provocativa.

Para facilitar seu entendimento, estes são alguns exemplos de submissões de outros anos que se encaixariam nesta trilha:
If you need to start a project, you’ve already failed #noprojects
Pay what you want: Uma nova abordagem para a precificação de projetos ágeis

Pessoas, grupos e comportamento: o fator humano

Track leads: Ceci Fernandes & Diego Lisboa

Existe muito mais nas relações entre pessoas do que o que pode ser tratado de forma simples em uma conversa. Encontrar o equilíbrio entre o coletivo e o indivíduo é fundamental, e existe uma arte em fazer com que grupos de trabalho se tornem times, aprendam a alinhar objetivos, balanceando forças e fraquezas para atingirem alta-performance.
Se você gosta de estudar as relações sociais, entender como motivações de indivíduos influenciam a equipe, como facilitar insights ou se você só gosta mesmo de “bicho gente”, esta trilha é para você.

Para facilitar seu entendimento, estes são alguns exemplos de submissões de outros anos que se encaixariam nesta trilha:
Podemos trabalhar juntos? A inclusão de pessoas com deficiência auditiva em equipes ágeis
Gestão e Liderança: Mais Soft Skills ou Mais Hard Skills?